Cálculo do Fator Previdenciário 2020

Conhecer os próprios direitos é fundamental, concorda? Contudo, ainda mais importante do que conhecê-los, é entendê-los para que seja possível garanti-los. Afinal de contas, como disse o jurista e polímata Rui Barbosa: 

“Quem não luta pelos seus direitos não é digno deles”

Sendo assim, hoje falaremos sobre o fator previdenciário, uma modalidade de aposentadoria criada durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e que, ainda hoje, traz diversas controvérsias devido aos métodos utilizados e, principalmente, pelo fato de “fisgar” uma cota dos valores que o trabalhador deveria receber em seu benefício de aposentadoria.

Porém, hoje, você entenderá não apenas sobre o que é o fator previdenciário, mas sobre a maneira correta de fazer o seu cálculo e as mudanças que a Reforma da Previdência agregou a essa e outras modalidades de aposentadoria.

E então, vamos lá? 

Boa leitura!  

O que é fator previdenciário?
O fator previdenciário, criado em 1999 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, é uma maneira diferenciada para quem quer se aposentar por tempo de contribuição, mas não tem idade suficiente para tal. Contudo, após a Reforma da Previdência, somente alguns casos estão sujeitos ao fator previdenciário.

Como funciona a aposentadoria por tempo de contribuição com fator previdenciário?
A aposentadoria por tempo de serviço com o fator previdenciário leva em conta somente o período em que o trabalhador contribuiu com o INSS. Contudo, é necessário levar em consideração que tal medida somente poderá ser solicitada para homens que tenham alcançado o tempo mínimo de contribuição de 35 anos e mulheres que tenham contribuído durante 30 anos. 

Sendo assim, para que seja possível calcular o valor a ser recebido pelo segurado, é considerada uma média dos 80% maiores salários recebidos desde julho do ano de 1994, levando em conta o ajuste da inflação. 

Dessa forma, o resultado das considerações indicadas acima é o valor que o trabalhador deverá receber de aposentadoria integral. Contudo, quando é analisado o fator previdenciário, a quantia deverá ser multiplicada pelo montante correspondente a idade e tempo de contribuição prevista na tabela para, então, ser indicada a quantia que o contribuinte deverá receber. 

O que mudou após a Reforma da Previdência?
Após a Reforma da Previdência, promulgada em novembro de 2019, as regras para o benefício da aposentadoria foram modificadas, fazendo com que fossem criadas idades mínimas de aposentadoria, sendo de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. 

No entanto, visto que ainda há um período previsto para a adaptação das mudanças, a aposentadoria por tempo de contribuição com fator previdenciário poderá ser concedida em casos específicos.

Pessoas que solicitaram a aposentadoria antes da Reforma e estão aguardando o deferimento
Este grupo de pessoas terá a possibilidade de se aposentar levando em conta a tabela do fator previdenciário válida até a data de 30 de novembro de 2019. Sendo assim, o cálculo será feito valendo-se dos 80% maiores salários de julho de 1994 para que depois seja aplicado o fator.

Pessoas que atingiram os requisitos, mas não fizeram o pedido do benefício
As pessoas que atingiram os requisitos mínimos para a aposentadoria, de acordo com o fator previdenciário antes de as novas regras da Reforma da Previdência começarem a valer, tem seu direito garantido de acordo com as regras anteriores.

Pessoas beneficiadas pela regra de transição
De acordo com a regra de transição, os contribuintes que estão a apenas dois anos de completar a idade mínima de contribuição poderão se beneficiar da aposentadoria sem dispor da idade mínima, desde que paguem o valor de 50% sobre o tempo faltante. 

Contudo, neste caso, é necessário estar atento ao fato de que a média do valor de aposentadoria será feita considerando todas as contribuições.


Cálculo do fator previdenciário
Para que seja mais simples a compreensão do cálculo do fator previdenciário, vamos utilizar um exemplo:

Um homem de 57 anos, com 33 anos de contribuição, tem o fator previdenciário de 0,687 (de acordo com a tabela apresentada acima, válida até novembro de 2020). Dessa maneira, considerando que este homem tenha uma média salarial de R$4.000,00, de acordo com o cálculo: 0,687×4000, sua aposentadoria será de R$2.748,00.

Sendo assim, é preciso estar atento ao fato de que quanto maior a idade e o tempo de contribuição, maior será, também, o valor do benefício. Veja o exemplo a seguir:

O mesmo homem citado acima, caso se aposente aos 63 anos, tendo contribuído durante 38 anos, terá o montante de sua aposentadoria maior do que seus salários: 1,014 x 4000 = 4.056.

E então, conseguiu compreender o que é o fator previdenciário e como fazer o seu cálculo?

Conteúdo original Menezes Bonato Advogados Associados | 24/01/2020.

Cotações e Índices

Moedas - 30/03/2020 08:51:23
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,101
  • 5,101
  • Paralelo
  • 4,370
  • 5,100
  • Turismo
  • 4,900
  • 5,310
  • Euro
  • 5,639
  • 5,640
  • Iene
  • 0,047
  • 0,047
  • Franco
  • 5,331
  • 5,334
  • Libra
  • 6,342
  • 6,344
  • Ouro
  • 266,430
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Saiba mais ...

Agendas Tributárias

  • 31/Março/2020 – 3ª Feira.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2019.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Operações com criptoativos.
  • Programa bienal de segurança e medicina do trabalho.
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF).
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA).
  • Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis).
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc).

Saiba mais ...

Avenida Silvio Avidos, 1104 - Sala 103 - São Silvano - Colatina ES   |   CEP: 29703-132
27. 3721 3268   |   pedro@gramacon.com.br
Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )