Google inaugura 1ª centro de computação em nuvem da empresa no Brasil

O Google, da holding Alphabet, inaugurou nesta terça-feira uma central de processamento de dados em São Paulo, a primeira da empresa na América do Sul e uma das oito anunciadas pela companhia em 2016 como parte de um plano para impulsionar sua presença no segmento de computação em nuvem no país e no mundo.

Com uma combinação de redução de preços, disponibilidade de serviços e aumento na velocidade, o Google espera se firmar no Brasil em um segmento em que disputa globalmente com outras grandes empresas de tecnologia como Amazon e Microsoft.

"Estamos preparados para competir mais do que de igual para igual", disse à Reuters o diretor de Google Cloud Platform no Brasil, Fabio Andreotti.
A abertura do centro local - chamado de região de Cloud São Paulo - foi alinhada com a possibilidade de pagamento dos serviços em reais para clientes brasileiros, com impostos inclusos, na primeira estratégia do tipo feita pelo Google no mundo.

Para atrair os clientes, o Google afirma que a abertura do centro em São Paulo vai permitir redução da latência - ou o tempo que a informação leva para viajar entre o centro de dados e o usuário - que deve ficar 80% a 95% mais rápida em relação aos EUA.

Em testes conduzidos pelo Google, a latência de acesso à região de cloud de São Paulo foi, em média, de 36 milissegundos, ante 170 ms para conexão com o centro da empresa no Estado norte-americano da Carolina do Sul, o mais próximo do Brasil.

"Com a chegada dessa infraestrutura hoje não há mais nenhuma diferença para que as grandes empresas não venham usar nossa infraestrutura", disse Andreotti, acrescentando que já está negociando a adoção do serviço com grandes bancos.

Entre os clientes brasileiros já anunciados pelo Google estão a startup Movile - gerenciadora das marcas iFood e Spoonrocket- e a Youse, plataforma digital da Caixa Seguradora.

Além dos clientes brasileiros, a região de cloud do Google está preparada para atender ao público do Chile e da Argentina, afirmou a companhia.
A empresa não revelou o tamanho ou a capacidade do centro de computação em nuvem brasileiro, mas afirmou que a "capacidade pode ser amplamente expandida", uma vez que se conecta às outras 11 centrais do tipo mantidas pelo Google ao redor do mundo, via rede de fibra ótica própria.

A previsão da companhia é que seu negócio de computação em nuvem no Brasil cresça "na casa dos três dígitos" em um ano, disse Andreotti sem ser específico.

O Google investiu no setor US$ 30 bilhões nos últimos três anos. Quando anunciou no ano passado a criação da central de processamento de dados no Brasil, Andreotti estimou que o segmento de computação em nuvem deverá superar a receita obtida pela empresa com venda de publicidade em 2020.

Fonte: g1.globo

Cotações e Índices

Moedas - 02/04/2020 16:55:41
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,249
  • 5,250
  • Paralelo
  • 4,450
  • 5,300
  • Turismo
  • 5,240
  • 5,550
  • Euro
  • 5,732
  • 5,734
  • Iene
  • 0,049
  • 0,049
  • Franco
  • 5,429
  • 5,432
  • Libra
  • 6,528
  • 6,530
  • Ouro
  • 268,020
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

Saiba mais ...

Agendas Tributárias

  • 03/Abril/2020 – 6ª Feira.
  • ICMS | Refinador de petróleo e suas bases.
  • ICMS | Refinador de petróleo e suas bases.
  • ICMS

Saiba mais ...

Avenida Silvio Avidos, 1104 - Sala 103 - São Silvano - Colatina ES   |   CEP: 29703-132
27. 3721 3268   |   pedro@gramacon.com.br
Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )